blog do Bem!


Maitri

Olá Amigos do Bem!

Hoje publico um texto da monja budista tibetana, Pema Chodron, enviado pelo amigo Persio Mandel.

O texto é longo, tive que sub-dividi-lo em alguns posts. Vale a leitura até o fim.

Seja Feliz! Abraços, by Marcos Souza Aranha

 MAITRI
 

"Maitri" quer dizer se acarinhar. Quando nos maltratamos ou não nos respeitamos, maltratamos ou deixamos de respeitar também o próximo, projetando no mundo ou maltrato que nos reservamos. É quando nos acarinhamos que podemos acarinhar os demais. Quando nos acarinhamos estamos de posse da chave de ouro para o nosso coração porque podemos valorizar quem nos rodela mesmo quando são incomodativos.

“Valorização” talvez não seja uma boa palavra porque quando alguém nos leva às raias da loucura está meramente nos comunicando tudo aquilo que não queremos saber. Quando isso acontece, vemos que recorremos à críticas e acusações para de alguma forma atingí-los. Isto só acontece porque rejeitamos grande parte do que somos e são estes conteúdos rejeitados que se convertem em crítica os quais depois projetamos.

Se elaborarmos uma lista dos motivos que nos levam a antipatizar com certas pessoas chegariamos a conclusão de que são aspectos de nós próprios que preferimos relegar ao esquecimento. Procure uma palavra que descreva certas pessoas com quem não simpatiza. Depois, confira para ver se não são os conteúdos pessoais que rejeitamos em nós mesmos.

Quando nos aborrecemos com pessoas ou situações em nossas vidas, é porque fomos tocados nalgum ponto bem defendido do nosso íntimo. Apontaram um facho de luz para nossos conteúdos que não honramos e despertaram demônios e outros monstros adormecidos na escuridão que não quisemos trazer à luz para ocultar o que vai no nosso íntimo. O que chamo aqui de demônios e monstros são sentimentos de vergonha, de raiva, de ciúme, de abandono, de profundo ressentimento ou conteúdos dos quais nunca tomamos conhecimento e que talvez nem estejamos prontos para tomar.

Quando percebemos que estamos fazendo má figura ou que fazem pouco de nós surge um grande mal estar e a necessidade premente de sair da situação. O mal estar se manifesta em um bilhão de máscaras, de estorinhas mas o incômodo é grande; não queremos nos acercar desta agitação criando um espaço amplo para ela, ou simplesmente honrá-la. Pelo contrário, empreendemos a grande fuga: seja explodindo e colocando a culpa numa outra pessoa; seja por palavras, xingando, ou fisicamente agredindo, batendo a porta, jogando a panela numa tentativa vã de negar a forte emoção que nos invade. Ou então reprimimos e nos sentimos culpados por temos passado por essa violenta emoção, tão dolorosa que partimos em busca de anestesia, geralmente encontrada na distração.

O consumo compulsivo é uma forma de lidar com este mal estar.

Tive por companheiro numa viagem que fiz de avião um senhor que a meio do caminho tomou umas pastilhas explicando-me que eram tranqulizantes. Perguntei-lhe se se sentia agitado e ele disse, "Não, mas talvez sinta quando chegar em casa." Fazemos isto muito, temendo o mal estar tratamos de evitá-lo mesmo antes que ele aconteça. É como se o "perfume" do mal estar que esteja para acontecer já nos obrigue a evitá-lo. Nada nos leva a honrar o sentimento de mal estar e tudo nos leva a pensar que se tivéssemos agido corretamente jamais estariamos em tal posição.


Publicado às 06h50.
Antes de agir, pergunte-se: estou consciente das consequencias e responsabilidades do meu ato?




[[ Clique aqui e indique para um amigo. ]]


continuação...

Quando ouvi este ensinamento pela primeira vez podia acreditar ainda que tudo provasse em contrário, porque me julgava uma mulher inteligente e capaz de afastar qualquer mal estar. Foi então que comecei a observar como reagia ao mal estar e descobri que era com o sentimento de que tinha feito algo errado, ou ido pelo mal caminho e surgia então a necessidade de buscar o acerto. Tinha o forte sentimento de que se pudesse apenas fazer isto ou aquilo não teria que passar por tais provações e que me sentia assim apenas porque tinha dito uma palavra infeliz ou casado com a pessoa errada ou por ter um chefe como aquele. Se pudesse pelo menos fazer um cooper, não estaria assim tão gorda; se fizesse um curso de graduação não me sentiria tão despreparada e poderia acompanhar melhor a conversa dos meus amigos privilegiados; se pudesse apenas meditar, a minha mente se acalmaria e eu poderia encontrar a paz. Eis aí o grande mito, o incrível e cruel mito, uma construção que só pode ruir. Disseram-me uma vez: “Sinto-me sempre como se estivesse travando uma batalha com a vida em que a vida está sempre ganhando.”

Mas um dia ouvi os ensinamentos sobre a importância de uma boa relação comigo mesma. (Já se passaram 20 anos e ainda estou tentando apreender o que isto quer dizer). Mas o que disseram na primeira noite que ouvi uma palestra sobre budismo é que é preciso saber que não vamos conseguir acertar o tempo todo e o conferencista disse isto com um sorriso confiante que me trouxe um grande alivio. Você pensa que pode atingir a perfeição? Pois bem, não pode.

Senti na pele esta lição quando assumi a direção de um mosteiro acabado de construir, Gampo Abbey, na Nova Escócia, Canadá. Se já tentaram alguma vez acertar todos os detalhes num âmbito mais amplo, envolvendo pessoal, saberão o que quero dizer. Difícil de acreditar que após todos estes anos de prática eu ainda pudesse acreditar que conseguiria. Observei, por exemplo, que tínhamos um cozinheiro e um encarregado de finanças, mas não tinha ninguém para cuidar da canalização nem da manutenção do prédio que ruía. Então um dia apareceu alguém capaz de consertar todos os canos. Oh, que alívio, agora está tudo em ordem, mas neste momento o cozinheiro comunicou que ia embora. E então, começava o malabarismo. Um momento se tem cozinheiro, encarregado de finanças e da manutenção mas não se tem residentes e aí surge a questão, mas então porque estamos fazendo tudo isto? E isto se passa com a nossa posição econômica, a nossa vida amorosa, com tudo mais. A imagem que me vinha à idéia era de um alguidar cheio de sapos, podemos colocá-los ali, mas depois eles vão estar sempre pulando para fora. E assim se passa com tudo na vida. Nunca conseguimos ter tudo em dia, pelo menos não por muito tempo.

Está é precisamente uma das "afirmações" dos ensinamentos budistas. As afirmações budistas são engraçadas porque não são como as que conhecemos. Por exemplo, “você nunca vai conseguir acertar tudo,” é uma afirmação budista. Outra diz o seguinte: “não ter medo de fazer papel de tolo.”

Onde quero chegar é que voce só pode ver o mundo como você se ve.

Maitri, acarinhar-se, é o fundamento que nos deixa à vontade no mundo, que nos permite constatar que o mundo não nos agride. Formamos uma imagem de nós mesmos que procuramos debalde alcançar, denominado no Budismo, ego, uma imagem que queremos que seja imutável. Como não é sempre uma imagem positiva pode até ser a de um perdedor. Se temos uma má auto estima será esta a imagem que trataremos de recrear. O que acontece é que não conseguimos recreá-la a contento, desanimamos, surgem daí muitos sentimentos negativos e nos antagonizamos com quem não alimenta a imagem que não realizamos ou porque não correspondem à imagem que projetamos deles.

E assim, na palestra que assisti soube que tinha que estabelecer uma relação de amizade com os conteúdos da minha pessoa de que me envergonhava até com os que detestava porque, enquanto tivesse medo de algum conteúdo iria ter medo dos do mundo. Desdenhando nossos conteúdos, desdenharemos os do mundo. Enquanto tivermos elevados ideais e opiniões formadas sobre como deveríamos ser vamos estar não só nos criticando, mas também criticando os outros que não estão a altura dos nossos ideais e opiniões formadas.


Publicado às 06h48.
Antes de agir, pergunte-se: estou consciente das consequencias e responsabilidades do meu ato?




[[ Clique aqui e indique para um amigo. ]]


continuação...

Maitri é conhecer todos os nossos conteúdos sem fugir daqueles que são especialmente dolorosos e honrá-los. Não procurar apenas conforto e segurança mas desenvolver um certo gosto pela insegurança. Começamos a aprender que a insegurança e até uma certa vertigem é o ponto de largada para as grandes descobertas interiores. Admitir vivenciar situações inéditas, nos atrapalharmos, nos sentirmos incompetentes, ou arrependidos de um ataque de fúria enquanto que a pessoa que admiramos seria incapaz de perder a calma ... a conscientização de todos estes sentimentos são marcos do coração que começa a se abrir em vez de manter-se fechado.

Quando durante a meditação surgem estas lembranças ficamos tensos e desligamos. A mente argumenta insistente que está tudo errado, que deveria ser diferente e estes pensamentos são como as paredes de uma prisão que só nos oferecem uma visão e uma vida claustrofóbica. E tudo isso acontece quando não honramos nossos sentimentos e fechamos o nosso coração em vez de abri-lo e torná­lo mais brando.

Em vez de fugir quando o mal estar e o sentimento de insegurança aparecem, o que propomos e uma abordagem bem diferente. Aqui começamos a abrir cada vez mais o coração, os olhos, os ouvidos e analisar o mal estar e o sentimento de insegurança. A jornada do contemplativo ou do místico acontece aqui mesmo, onde a comodidade e o bem estar são dispensados.

Quando acolhemos estes sentimentos somos capazes de transmutar os chamados sentimentos “negativos”. Segundo os ensinamentos do Budismo Vajrayana, o budismo tântrico, a nossa sabedoria e a nossa confusão são uma mesma tecitura e não é possível nos desfazer de uma sem descartar a outra. Mas de alguma forma queremos nos desfazer do mal estar, seja através de justificativas, de repressão ou supressão. Na tentativa de nos livrarmos da “negatividade”, tentando terminar de vez com ela, descartamos também a nossa sabedoria, porque tudo em nós é energia criativa, sobretudo estas fortes emoções. Elas estão sempre cheias de força criativa - força vital, portanto a “negatividade” por si só não está errada - o que está errado é não nos acercarmos dela, honrando-a, tomando o seu pulso, provando-a, cheirando-a. Em vez disso tentamos nos livrar dela com um murro ou denegrindo alguém, nos castigando ou reprimindo a nossa emoção. Assim, no ponto depois da repressão e antes da explosão vamos encontrar profunda sabedoria e o momento infinito.

Se apenas tentarmos nos livrar destas emoções não vamos jamais saber que elas contêm sabedoria. A transmutação advém da disposição de “amarrar o cinto” e aceitar a emoção, dispensar estorinhas e justificativas. Não precisamos tomar qualquer atitude, podemos passar um bom tempo com esta nota desafinada e não é preciso mudar de escala para poder terminar a música.

Maitri é o começo: mas serve para o começo, serve para o meio e serve para o fim. Maitri é imprescindível para a transmutação da negatividade em energia criativa.

O que é bastante curioso é que esta jornada é empreendida com uma sensação enorme de alegria. O problema é que buscamos a alegria de uma forma errada, na tentativa de não nos expor a urna grande parte da experiência humana. Buscamos a felicidade negando nossos conteúdos internos e achando que temos que mudar. Mas em vez de mudar, precisamos cultivar um tipo de inteligência que nos permita observar-nos e ver-nos com perfeita clareza, nitidez e honestidade mas também com bondade e carinho Esta mistura de honestidade, clareza e carinho é a essência de Maitri.


Publicado às 06h47.
Antes de agir, pergunte-se: estou consciente das consequencias e responsabilidades do meu ato?




[[ Clique aqui e indique para um amigo. ]]


continuação...

Na meditação podemos observar as coisas tal como elas são, sem precisar fechar os olhos, os ouvidos ou o coração e isto é como estar permanentemente em território desconhecido. Embrenhamo-nos pelo que desconhecemos em nós mesmos sabendo que esta aventura não nos leva somente para as profundezas do ser, mas sim para a sabedoria imanente do Universo. Só podemos nos embrenhar por lugares onde sentimos alguma confiança porque é uma temeridade enfrentar o desconhecido. Mas para enfrentar o desconhecido precisamos estabelecer uma relação de carinho com todos os nossos conteúdos internos interessando-nos pelo que desconhecemos aqui e agora: nós mesmos. Maitri pode parecer um retorno ao ego, uma forma de egoísmo, mas na verdade quando nos miramos com grande honestidade e clareza, observando nossas emoções, pensamentos e nossa forma de ser com carinho começam a se esboroar as paredes que nos separam do mundo e dos demais. Estas paredes, esta sensação de isolamento de tudo e de todos, são feitas de opiniões, de dogma, e preconceito, de medo e da recusa de chegar a conhecê-las.

Outro aspecto desta análise é que não precisamos nos enclausurar na nossa história, podemos ir adiante, sem nos empedernir no tempo e no espaço como se não pudêssemos e até se pudêssemos.

Para nos libertarmos do nosso passado, precisamos ter uma boa relação de carinho com a pessoa que somos hoje, aceitando as lembranças e relacionamentos, bem como os sentimentos que surgem destas lembranças para não continuarmos agrilhoados à nossa história pessoal, nem pela idéia imobilizante que fazemos de nós mesmos.

Existe um ensinamento tibetano que diz: "A auto estima é a raiz de todo o sofrimento", ou "A auto estima é a semente de todo infortúnio" e cerca de 85% dos ocidentais pensariam que a forma de seguir o ensinamento seria não se acarinhando e que envolver-se consigo mesmo seria contrário ao despertar. Mas não é assim que o ensinamento deve ser interpretado; o que ele pretende transmitir é que não devemos nos fixar numa idéia pré-concebida de nós mesmos. O que foi traduzido por "auto estima" é a qualidade fixativa, imobilizante do ego. Ego quer dizer tentar nos proteger nos fixando, criando barreiras protetoras contra o mal estar e a indecisão.

"Auto estima" neste ensinamento refere-se à idéia errónea de que poderia haver apenas conforto e nunca desconforto, ou só felicidade e nunca infelicidade, ou só o bem e nunca o mal.

Mas os ensinamentos budistas nos mostram que podemos abarcar uma visão muito mais abrangente, uma visão que iria para além do bem e do mal, categorias que surgem devido à falta de "Maitri". Dizemos que está bem aquilo que nos transmite segurança e mal aquilo que nos transmite insegurança. Assim, odiamos aqueles que não nos garante segurança, como praticantes de diferentes religiões, gente de outras nacionalidades, etc. E gostamos daqueles que nos estabilizam, que nos devolvem firmeza. Portanto, acredito que "auto estima" é uma tradução inexata. O que o ensinamento nos diz é que quando nos preocupamos, preocupados em nos proteger, não podemos ver a dor estampada na face do outro. É dessa qualidade fixativa, imobilizante que se trata, como se nossos punhos se fechassem e não os pudéssemos mais abrir; quem diz punhos diz ombros, cabeça, estômago, estamos cheios de nós. Quando começamos a soltar estes nós nos acercamos do próximo e podemos ser úteis para eles. Mas enquanto não tivermos lidado com o nosso medo, quando ele surgir vamos nos fechar cada vez mais.

Diz-se que conhecer-se é ir além de si mesmo; o que quer dizer, quanto mais completa e honestamente nos conhecermos, sendo capazes de nos encarar tal como somos, passamos a viver num espaço aberto sem preocupações de chão, paredes ou teto sendo capazes de nos transportar para todos os lados porque não temos nada a perder. Podemos mirar olho no olho, qualquer pessoa porque não temos nada que temer.

Assim, diz-se que conhecer-se é ir além de si mesmo, e então o ditado termina: “ir para além de si mesmo é permitir que todas as coisas nos iluminem", o que quer dizer que quando nos relacionamos bem com nós mesmos não nos ensimesmamos. É uma viravolta interessante. Observamos então que o mundo está em permanente diálogo conosco, cada situação, cada acontecimento, a natureza, as pessoas, vivemos em diálogo, aprendendo a despertar. Nosso mundo é maravilhoso, mas muitas vezes nos escapa, como no cinema quando vemos a apresentação das próximas atrações sem chegar jamais a ver o filme em destaque.

Falta-nos Maitri quando temos ressentimento ou passamos julgamentos. Mas por trás do ressentimento está o medo e atrás do medo está uma grande suavidade - um coração imenso e uma mente luminosa e desperta, porque esta é a natureza do ser. E melhor maneira de sentir Maitri é durante a meditação, porque Maitri só pode ser encontrada em nossos corações e para encontrá-la basta estabelecer uma relação de carinho com quem já somos. Parece simples mas não é assim tão simples, ainda que seja um ensinamento muito precioso. Espero que alguns de vocês empreendam esta jornada, como eu fiz quando pela primeira vez, há 20 anos, ouvi estes mesmos ensinamentos.

Pema Chodron

Pema Chodron é monja budista tibetana, natural dos ELSA e diretora do Mosteiro Garnpo Abbey


Publicado às 06h46.
Antes de agir, pergunte-se: estou consciente das consequencias e responsabilidades do meu ato?




[[ Clique aqui e indique para um amigo. ]]


30.000 leitores

Olá Amigos do Bem!
 
Hoje é um dia especial, o contador chegou a 30.000 leitores.
 
Poderia dizer muitas coisas, mas prefiro a simplicidade: "Obrigado!"
 
Seja Feliz!
 
Abraços, by Marcos Souza Aranha

Publicado às 17h50.
Antes de agir, pergunte-se: estou consciente das consequencias e responsabilidades do meu ato?




[[ Clique aqui e indique para um amigo. ]]


Dia dos Pais

Olá Amigos do Bem!
 
Hoje é o Dia dos Pais.
 
Começo-o agradecendo ao meu pai e aos pais de todos vocês, por estarmos aqui presentes neste corpo que só pôde ser concebido pela doação de um pedaço deles.
 
Obrigado Pais! Que tenham muita saúde e alegrias para viverem todos os dias de suas vidas!
Obrigado meu Pai por tudo o que vivemos juntos nesta vida.
 
Feito este agradecimento, escrevo o post de hoje.
 
Para mim, Pai pode ser algo no nível do estar,  ou o no nível do Ser.
O estar é o do papel de pai - biológico ou não. O Ser é o do karma e dharma.
O viver o do Ser é um desafio ainda maior, pois exige constantemente estarmos vivendo, atrávés do papel de pai, todas as necessidades trazidas pelas nossas almas, e que muitas vezes não foram apenas iguais à deste atual papel.
 
Saber abstrair do papel atual (pai-filho) e sentir quais são nossas relações karmicas, é uma constante busca interior que tem um compromisso não apenas com esta vida, mas com a eternidade.
 
A cada dificuldade que tenho com meus filhos, tento me lembrar disto, e encaro o presente como a única oportunidade de viver um futuro melhor, liberando nosso jardim da vida de ervas daninhas que possam ter sido plantadas no passado.
 
O Amor é o fluído que vivemos, que nos une, que nos permite ver o que temos em comum a nível da alma, e alivia as diferenças encontradas no plano físico, na relação do papel atual.
Só o Amor, vivido e percebido como Amor, é libertador, transformador e renovar.
O amor pensado, dito e não vivido, é apenas uma intenção.
 
Amar meu pai e meus filhos é um ato de viver minha melhor oportunidade de rever constantemente meus compromissos com a eternidade.
Neste relação eu sou desafiado, o tempo todo, a estar consciente, e viver coerentemente aquilo que acredito importante na vida, aceitando as diferenças das necessidades de cada alma.
 
Não sou perfeito, erro muito. Mas cada tropeço traz a oportunidade de olhar para o compromisso do Amor e a eternidade.
 
Portanto, meu segundo agradecimento vai para meus queridos filhos que estão permitindo que eu possa estar vivendo este dia como o Dia dos Pais deles.
Obrigado Filhos! Que tenham muita saúde e alegrias para viverem todos os dias de suas vidas!
 
Feliz Dia dos Pais!
 
Todos os Seres, que tem um pai, visível ou não, que tenham algum filho, biológico ou não, merecem ser felizes!
 
Ótimo domingo! Abraços, by Marcos Souza Aranha

Publicado às 05h54.
Antes de agir, pergunte-se: estou consciente das consequencias e responsabilidades do meu ato?




[[ Clique aqui e indique para um amigo. ]]

 
Previsão do dia



Linha Direta do Bem.

Clique aqui para nos escrever, mandar textos, sugestões, dicas do Bem, e elogios.

Outros sites
 Desenvolvimento Negócios & RH
 OW4Y Consulting
 ONG- SIDARTA -Educação
 ONG - Instituto Vladimir Herzog
 ONG- Corpore
 ONG Lua Nova
 ONG- Projeto Mutação
 ONG- Viva e Deixe Viver
 ONG - ADD - Assoc.Desportiva de Deficientes -
 ONG- Constelação
 ONG Casa do Sol
 ONG Teu sonho- meu sonho
 UOL
 Lembranças do capitão




Votação
Vote! Clique aqui e dê uma nota de 0 a 10 para o blog do Bem.


Histórico
11/08/2013 a 17/08/2013
04/08/2013 a 10/08/2013
10/02/2013 a 16/02/2013
12/08/2012 a 18/08/2012
05/08/2012 a 11/08/2012
03/06/2012 a 09/06/2012
22/04/2012 a 28/04/2012
11/03/2012 a 17/03/2012
17/07/2011 a 23/07/2011
05/06/2011 a 11/06/2011
15/05/2011 a 21/05/2011
27/03/2011 a 02/04/2011
27/02/2011 a 05/03/2011
20/02/2011 a 26/02/2011
26/12/2010 a 01/01/2011
19/12/2010 a 25/12/2010
07/11/2010 a 13/11/2010
31/10/2010 a 06/11/2010
03/10/2010 a 09/10/2010
19/09/2010 a 25/09/2010
01/08/2010 a 07/08/2010
13/06/2010 a 19/06/2010
06/06/2010 a 12/06/2010
09/05/2010 a 15/05/2010
02/05/2010 a 08/05/2010
21/03/2010 a 27/03/2010
14/03/2010 a 20/03/2010
07/03/2010 a 13/03/2010
07/02/2010 a 13/02/2010
13/12/2009 a 19/12/2009
06/12/2009 a 12/12/2009
15/11/2009 a 21/11/2009
08/11/2009 a 14/11/2009
01/11/2009 a 07/11/2009
18/10/2009 a 24/10/2009
11/10/2009 a 17/10/2009
27/09/2009 a 03/10/2009
20/09/2009 a 26/09/2009
13/09/2009 a 19/09/2009
06/09/2009 a 12/09/2009
23/08/2009 a 29/08/2009
16/08/2009 a 22/08/2009
02/08/2009 a 08/08/2009
26/07/2009 a 01/08/2009
19/07/2009 a 25/07/2009
12/07/2009 a 18/07/2009
05/07/2009 a 11/07/2009
28/06/2009 a 04/07/2009
21/06/2009 a 27/06/2009
14/06/2009 a 20/06/2009
07/06/2009 a 13/06/2009
31/05/2009 a 06/06/2009
24/05/2009 a 30/05/2009
17/05/2009 a 23/05/2009
10/05/2009 a 16/05/2009
03/05/2009 a 09/05/2009
26/04/2009 a 02/05/2009
19/04/2009 a 25/04/2009
05/04/2009 a 11/04/2009
29/03/2009 a 04/04/2009
22/03/2009 a 28/03/2009
15/03/2009 a 21/03/2009
08/03/2009 a 14/03/2009
01/03/2009 a 07/03/2009
22/02/2009 a 28/02/2009
15/02/2009 a 21/02/2009
08/02/2009 a 14/02/2009
01/02/2009 a 07/02/2009
25/01/2009 a 31/01/2009
18/01/2009 a 24/01/2009
11/01/2009 a 17/01/2009
04/01/2009 a 10/01/2009
28/12/2008 a 03/01/2009
21/12/2008 a 27/12/2008
14/12/2008 a 20/12/2008
07/12/2008 a 13/12/2008
30/11/2008 a 06/12/2008
23/11/2008 a 29/11/2008
16/11/2008 a 22/11/2008
09/11/2008 a 15/11/2008
02/11/2008 a 08/11/2008
26/10/2008 a 01/11/2008
19/10/2008 a 25/10/2008
12/10/2008 a 18/10/2008
05/10/2008 a 11/10/2008
28/09/2008 a 04/10/2008
21/09/2008 a 27/09/2008
14/09/2008 a 20/09/2008
07/09/2008 a 13/09/2008
31/08/2008 a 06/09/2008
24/08/2008 a 30/08/2008
17/08/2008 a 23/08/2008
10/08/2008 a 16/08/2008
03/08/2008 a 09/08/2008
27/07/2008 a 02/08/2008
20/07/2008 a 26/07/2008
13/07/2008 a 19/07/2008
06/07/2008 a 12/07/2008
22/06/2008 a 28/06/2008
15/06/2008 a 21/06/2008
08/06/2008 a 14/06/2008
01/06/2008 a 07/06/2008
25/05/2008 a 31/05/2008
18/05/2008 a 24/05/2008
11/05/2008 a 17/05/2008
04/05/2008 a 10/05/2008
27/04/2008 a 03/05/2008
13/04/2008 a 19/04/2008
06/04/2008 a 12/04/2008
30/03/2008 a 05/04/2008
23/03/2008 a 29/03/2008
16/03/2008 a 22/03/2008
09/03/2008 a 15/03/2008
24/02/2008 a 01/03/2008
17/02/2008 a 23/02/2008
10/02/2008 a 16/02/2008
03/02/2008 a 09/02/2008
27/01/2008 a 02/02/2008
20/01/2008 a 26/01/2008
13/01/2008 a 19/01/2008
06/01/2008 a 12/01/2008
30/12/2007 a 05/01/2008
23/12/2007 a 29/12/2007
16/12/2007 a 22/12/2007
09/12/2007 a 15/12/2007
02/12/2007 a 08/12/2007
25/11/2007 a 01/12/2007
18/11/2007 a 24/11/2007
11/11/2007 a 17/11/2007
04/11/2007 a 10/11/2007
28/10/2007 a 03/11/2007
21/10/2007 a 27/10/2007
14/10/2007 a 20/10/2007
07/10/2007 a 13/10/2007
30/09/2007 a 06/10/2007
23/09/2007 a 29/09/2007
16/09/2007 a 22/09/2007
09/09/2007 a 15/09/2007
02/09/2007 a 08/09/2007
26/08/2007 a 01/09/2007
19/08/2007 a 25/08/2007
12/08/2007 a 18/08/2007
05/08/2007 a 11/08/2007
29/07/2007 a 04/08/2007
22/07/2007 a 28/07/2007
15/07/2007 a 21/07/2007
08/07/2007 a 14/07/2007
24/06/2007 a 30/06/2007
17/06/2007 a 23/06/2007
10/06/2007 a 16/06/2007
03/06/2007 a 09/06/2007
27/05/2007 a 02/06/2007
20/05/2007 a 26/05/2007
13/05/2007 a 19/05/2007
06/05/2007 a 12/05/2007
29/04/2007 a 05/05/2007
22/04/2007 a 28/04/2007
15/04/2007 a 21/04/2007
08/04/2007 a 14/04/2007
01/04/2007 a 07/04/2007
25/03/2007 a 31/03/2007
18/03/2007 a 24/03/2007
11/03/2007 a 17/03/2007
04/03/2007 a 10/03/2007
25/02/2007 a 03/03/2007
18/02/2007 a 24/02/2007
11/02/2007 a 17/02/2007
04/02/2007 a 10/02/2007
21/01/2007 a 27/01/2007
14/01/2007 a 20/01/2007
07/01/2007 a 13/01/2007
31/12/2006 a 06/01/2007
24/12/2006 a 30/12/2006
17/12/2006 a 23/12/2006
10/12/2006 a 16/12/2006
03/12/2006 a 09/12/2006
26/11/2006 a 02/12/2006
19/11/2006 a 25/11/2006
12/11/2006 a 18/11/2006
05/11/2006 a 11/11/2006
29/10/2006 a 04/11/2006
22/10/2006 a 28/10/2006
15/10/2006 a 21/10/2006
08/10/2006 a 14/10/2006
01/10/2006 a 07/10/2006
24/09/2006 a 30/09/2006
17/09/2006 a 23/09/2006
10/09/2006 a 16/09/2006
03/09/2006 a 09/09/2006
20/08/2006 a 26/08/2006
13/08/2006 a 19/08/2006
06/08/2006 a 12/08/2006
30/07/2006 a 05/08/2006
23/07/2006 a 29/07/2006
16/07/2006 a 22/07/2006
09/07/2006 a 15/07/2006
02/07/2006 a 08/07/2006
25/06/2006 a 01/07/2006
18/06/2006 a 24/06/2006
11/06/2006 a 17/06/2006
04/06/2006 a 10/06/2006
28/05/2006 a 03/06/2006
21/05/2006 a 27/05/2006
14/05/2006 a 20/05/2006
07/05/2006 a 13/05/2006
30/04/2006 a 06/05/2006
23/04/2006 a 29/04/2006
16/04/2006 a 22/04/2006
09/04/2006 a 15/04/2006
02/04/2006 a 08/04/2006
26/03/2006 a 01/04/2006
19/03/2006 a 25/03/2006
12/03/2006 a 18/03/2006
05/03/2006 a 11/03/2006
26/02/2006 a 04/03/2006
19/02/2006 a 25/02/2006
12/02/2006 a 18/02/2006
05/02/2006 a 11/02/2006
29/01/2006 a 04/02/2006
22/01/2006 a 28/01/2006
15/01/2006 a 21/01/2006
08/01/2006 a 14/01/2006
01/01/2006 a 07/01/2006
25/12/2005 a 31/12/2005
18/12/2005 a 24/12/2005
11/12/2005 a 17/12/2005
04/12/2005 a 10/12/2005
27/11/2005 a 03/12/2005
20/11/2005 a 26/11/2005
13/11/2005 a 19/11/2005
06/11/2005 a 12/11/2005
30/10/2005 a 05/11/2005
23/10/2005 a 29/10/2005
16/10/2005 a 22/10/2005
09/10/2005 a 15/10/2005
02/10/2005 a 08/10/2005
25/09/2005 a 01/10/2005
18/09/2005 a 24/09/2005
11/09/2005 a 17/09/2005
04/09/2005 a 10/09/2005
28/08/2005 a 03/09/2005
21/08/2005 a 27/08/2005
14/08/2005 a 20/08/2005
07/08/2005 a 13/08/2005
31/07/2005 a 06/08/2005
24/07/2005 a 30/07/2005
17/07/2005 a 23/07/2005
10/07/2005 a 16/07/2005
03/07/2005 a 09/07/2005
26/06/2005 a 02/07/2005
19/06/2005 a 25/06/2005
12/06/2005 a 18/06/2005
05/06/2005 a 11/06/2005
29/05/2005 a 04/06/2005
22/05/2005 a 28/05/2005
15/05/2005 a 21/05/2005
08/05/2005 a 14/05/2005
24/04/2005 a 30/04/2005
17/04/2005 a 23/04/2005
10/04/2005 a 16/04/2005
03/04/2005 a 09/04/2005
27/03/2005 a 02/04/2005
20/03/2005 a 26/03/2005
13/03/2005 a 19/03/2005
06/03/2005 a 12/03/2005
27/02/2005 a 05/03/2005
20/02/2005 a 26/02/2005
13/02/2005 a 19/02/2005
06/02/2005 a 12/02/2005
30/01/2005 a 05/02/2005
23/01/2005 a 29/01/2005
16/01/2005 a 22/01/2005
09/01/2005 a 15/01/2005
02/01/2005 a 08/01/2005
26/12/2004 a 01/01/2005
19/12/2004 a 25/12/2004
12/12/2004 a 18/12/2004
05/12/2004 a 11/12/2004
28/11/2004 a 04/12/2004
21/11/2004 a 27/11/2004
14/11/2004 a 20/11/2004
07/11/2004 a 13/11/2004
31/10/2004 a 06/11/2004
24/10/2004 a 30/10/2004
17/10/2004 a 23/10/2004
10/10/2004 a 16/10/2004
03/10/2004 a 09/10/2004
26/09/2004 a 02/10/2004
19/09/2004 a 25/09/2004
12/09/2004 a 18/09/2004
05/09/2004 a 11/09/2004
29/08/2004 a 04/09/2004
22/08/2004 a 28/08/2004
15/08/2004 a 21/08/2004
11/07/2004 a 17/07/2004
04/07/2004 a 10/07/2004
27/06/2004 a 03/07/2004
20/06/2004 a 26/06/2004
13/06/2004 a 19/06/2004
06/06/2004 a 12/06/2004
30/05/2004 a 05/06/2004
23/05/2004 a 29/05/2004
16/05/2004 a 22/05/2004
09/05/2004 a 15/05/2004
02/05/2004 a 08/05/2004
25/04/2004 a 01/05/2004
18/04/2004 a 24/04/2004
11/04/2004 a 17/04/2004
04/04/2004 a 10/04/2004
28/03/2004 a 03/04/2004
21/03/2004 a 27/03/2004
14/03/2004 a 20/03/2004
07/03/2004 a 13/03/2004
29/02/2004 a 06/03/2004
22/02/2004 a 28/02/2004
15/02/2004 a 21/02/2004